Crítica – Legion 2ª Temporada "O mundo precisa assistir essa série"

Crítica – Legion 2ª Temporada “O mundo precisa assistir essa série”

Legion foi uma das melhores surpresas do ano passado, ousada e com e uma narrativa bem peculiar. Em seu segundo ano, a série prova que consegue manter o mesmo nível de originalidade.

Depois do desaparecimento de David Haller (Dan Stevens), nós pulamos um ano para frente, onde magicamente, ele reaparece e agora os mutantes trabalham em parceria com a Divisão Três. Todos querem acabar com o Rei das Sombras (Navid Negahban).

Crítica – Legion 2ª Temporada

Uma coisa que me chamou a atenção, foi como essa temporada tem mais informações que a primeira, sendo mais confusa, e ainda assim foi bem mais fácil de entender. É o conceito de bagunça organizada, tudo está de pernas para o ar, mas de algum jeito faz sentido; Era como se eu estivesse vendo a série dentro da cabeça do David. O tempo narrativo é confuso porque o protagonista está confuso, ele sumiu por um ano e ninguém sabe o que houve, logo nós não sabemos também.

Nós tivemos muitas revelações sobre o Rei das Sombras ou Amahl Farouk, no intuito de humanizar o personagem e dar mais sentido a sua luta, e na maioria das vezes funciona. Juntando isso com o charme de Navid nós temos o antagonista perfeito.

Crítica – Legion 2ª Temporada

Os outros personagens como Syd (Rachel Keller), Ptonomy (Jeremie Harris) e Melanie (Jean Smart) são ótimos e dão uma direção em meio as loucuras de David. Destaque novamente para Aubrey Plaza, a nossa querida Lenny, que deu mais um show.

A direção e a fotografia continuam espetaculares e bem diferentes das outras coisas em alta. Na verdade, esse é o maior charme de Legion: o programa sabe ser diferente. Nós temos ótimos shows passando, como Westworld, The Handmaid’s Tale, Mr. Robot, mas nenhum deles tem o mesmo encanto de Legion. É como assistir algo experimental, que não tem medo das reações do público e faz as coisas do seu jeito – como o episódio final da primeira temporada.

Crítica – Legion 2ª Temporada

Muitos conceitos legais foram apresentados: viagem no tempo, loopings temporais e como o medo funciona, tudo muito bem trabalhado.

Mas nem tudo são flores, existem, pelo menos, dois episódios descartáveis – só um dos fillers tem informações úteis para o programa, o resto poderia ter sido revelado no meio de outros episódios.

Mesmo com esses problemas na narrativa, Legion continua tão boa quanto sua primeira temporada, é original e tem uma das melhores trilhas sonoras que eu já ouvi – Behind Blue Eyes. Com certeza merece a sua atenção.

Confira o trailer da segunda temporada: