Damon Lindelof divulga uma enorme carta para os fãs explicando os detalhes sobre a série do Watchmen!

Watchmen

Através de seu Instagram, o roteirista e produtor, Damon Lindelof (The Leftovers) publicou uma enorme carta aberta para os fãs explicando os detalhes sobre a série de TV do Watchmen pela HBO.

Confira logo abaixo:

Day 140.

Uma publicação compartilhada por Damon (@damonlindelof) em

No texto, Lindelof relembra os vários momentos onde seu falecido pai demonstrou amor pela obra de Alan Moore e Dave Gibbons, entregando-lhe os dois primeiros volumes aos 12 anos de idade. O produtor também cita as diversas vezes que recebeu a chance de criar uma série de TV de Watchmen – tendo recusado inúmeras por ir contra a vontade de Moore e Gibbons.

Na quarta página, o produtor afirma que sentiu a necessidade de assumir o projeto, mas detalha que não será nada próximo ao que já existe.

Nossas intenções criativas: não temos desejo algum de ‘adaptar’ os doze volumes que os senhor Moore e Gibbons criaram há 30 anos. Esses volumes são território sagrado e não serão recontados, recriados, reproduzidos e nem passarão por reboot.

Eles são, por outro, remixados. Pois as linhas de baixo nessas músicas familiares são boas demais e seríamos tolos de não as utilizarmos como base. Os doze volumes originais são como o nosso Velho Testamento. Quando o Novo Testamento chegou, não apagou o que veio antes. Criação. O Jardim do Éden. Abraão e Isaque. O Dilúvio. Tudo isso aconteceu – e assim será com Watchmen. O Comediante morreu. Dan e Laurie se apaixonaram. Ozymandias salvou o mundo e o Dr. Manhattan o deixou após explodir Rorschach em pedaços no frio gélido da Antártica.

Para ir direto ao ponto, Watchmen é cânone.

Da forma como o sr. Moore escreveu, da forma como o sr. Gibbons desenhou e da forma como o brilhante John Higgins coloriu.

Mas também não estamos fazendo uma ‘continuação’. A história será ambientada no mundo que seus criadores sofridamente construíram… mas na tradição do trabalho que o inspirou, a nova história deve ser original. Tem que vibrar na imprevisibilidade de suas próprias placas tectônicas. Deve fazer novos questionamentos e explorar o mundo com novas perspectivas. Mais importante, deve ser contemporânea. 

O Velho Testamento era específico dos anos oitenta de Reagan e Thatcher e Gorbachev. O nosso precisa ressoar com a frequência de Trump e May e Putin e do cavalo que ele cavalga por aí, sem camisa. E falando em Cavaleiros, O Fim do Mundo está fora de questão… o que significa que os heróis e vilões – se é que existem diferenças entre os dois – estão jogando em times completamente opostos. […] 

Alguns dos personagens serão desconhecidos, rostos novos e novas máscaras para cobri-los. Nós também pretendemos revisitar o século passado das Aventuras Mascaradas por surpreendentes mas familiares pares de olhos. […] 

Eu me importo profundamente com o que você pensa. Um sábio homem azul uma vez disse que nada realmente acaba, mas talvez ele não fosse sábio. Talvez fosse apenas assustado, solitário e triste de que sua vida superaria tudo e todos que amava. Então espero que essa não seja a última conversa entre nós, queridos fãs. Afinal de contas, é apenas um piloto e é melhor não nos precipitarmos.

Talvez, se tudo se resolver do jeito que espero e se vocês estiverem dispostos a me dar uma chance, isso não é o fim. É o começo?”, concluiu Lindelof.

O projeto está em estágios iniciais e não terá nenhuma ligação com o filme de 2009, dirigido por Zack Snyder.

Watchmen foi criada por Alan Moore Dave Gibbons e é considerado um clássico dos quadrinhos e da literatura.

A série de TV será ambientada nos dias de hoje e entrou oficialmente em produção em setembro de 2017. As filmagens começaram em abril e ainda não há previsão de estreia.